sexta-feira, 31 de maio de 2013

Tempo de Renovação



Há tempo para todas as coisas e, claro, um tempo de renovação.

Há quanto tempo você não se reinventa?
Há quanto tempo não muda os caminhos que trilha, que não faz escolhas diferentes, que não lê sobre novos assuntos?
Há quanto tempo não muda o visual, o local que passa férias e o restaurante em que almoça?
Há quanto tempo não muda a si mesmo, permitindo o direito de ser alguém renovado e experimentando novas possibilidades? 




O ser humano é incrível; adaptamo-nos às inúmeras situações adversas e as superamos, muitas vezes descobrindo um enorme poder que nem sabíamos ter. 




E, curiosamente, justamente por termos esse poder de lidar com as adversidades é que às vezes acabamos por nos acostumar com elas. Fazemos as mesmas coisas, nutrimos os mesmos hábitos, pois já nos adaptamos a uma forma de viver. 




Mas, e se renovássemos vez por outra nossos caminhos? Não seria mais interessante?
Não digo que devemos sair por aí, sem critério, simplesmente renovando por renovar. No entanto, há muito por fazer por nossa vida e nossa maneira de caminhar.





Abra-se a novas possibilidades no trabalho, na família, na vida a dois.
Abra-se a novas possibilidades no lazer, na forma de lidar com seu dinheiro, na busca pela paz.
 
Dar-se ao direito de renovar é reabastecer-se continuamente com uma motivação genuína, o que nos traz muita paz. Trata-se de uma paz diferente. No sentido de encontrarmos um ponto de equilíbrio no meio da vida, apesar de intensos movimentos. 




Mude para melhor; faça tentativas. Se não funcionar, mude a maneira de mudar. Tente outras coisas. A idéia aqui não é fazer da renovação uma obsessão, mas uma forma de viver pautada no bom senso.

Pergunte sempre ao seu coração: qual seu nível de prazer e realização? Ele sempre lhe dirá quando é necessário introduzir algo novo ou simplesmente continuar com a velha maneira de ser.

Seja como for, dê a si mesmo o presente de renovar os caminhos sempre que possível. O que você poderia fazer a partir de agora por você?

Texto - SITE: Momento de Reflexão
Fotos: Net




"O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada, Caminhando e semeando, no fim terás o que colher." (Cora Coralina)


quinta-feira, 30 de maio de 2013

A primeira flôr ....







“A primeira flôr que floresceu na Terra era um convite à canção ainda não nascida.”  
                   Rabindranath Tagore




quarta-feira, 29 de maio de 2013

Lake George em New York




Em 2012 o meu marido esteve a trabalhar durante algum tempo, no estado de Nova York, e foi visitar o Lago George. Gostou imenso e deixou-me vontade de conhecer também este lindo lago, mesmo que seja apenas através das suas fotografias.




Hoje vamos navegar virtualmente pelo Lake George ....






O Lake George, apelidado também de “Rainha dos lagos Américanos” é um longo e estreito lago localizado na base sudeste das Montanhas Adirondack, no nordeste do estado de Nova York, EUA.






O lago estende-se por cerca de 51,8 km e a sua largura varia de 1,7 a 5 km. É bastante fundo, encontrado-se entre Dome Island e Buck Mountain o seu ponto mais profundo, 61 metros.





Faz parte da da bacia hidrográfica St. Lawrence. Os acidentes geográficos mais notáveis são Anthony's Nose, Deer's Leap, Roger's Rock, the Indian Kettles, Diver's Rock e Double-Diver's.






No relevo algumas das montanhas mais importantes são a Tongue Mountain, Sugarloaf Mountain, Elephant Mountain, Prospect Mountain, Shelving Rock, Pilot Knob e Black Mountain.





As baías mais conhecidas são a Silver Bay, Kattskill Bay, Northwest Bay, Basin Bay, e Oneida Bay. Ao todo, Lake George é o lar de 165 ilhas e 230 ilhas satélite (exatamente 395 total), a maioria delas estatais.




O belo cenário é apenas uma parte da atração do Lake George Area. Aqui se encontra um rico património histórico e cultural, remontando a sua cultura indígena americana a milhares de anos. A região tem muito para oferecer como os passeios de barco, a cavalo, de balão, campos de golfe, locais históricos, parques temáticos, rafting e muito mais.





Site Oficial: do Lake George

Texto: Wikipedia
Fotos: Pessoais


segunda-feira, 27 de maio de 2013

Se me Envolve a Noite Escura




Se me envolve a noite escura
E caminho sobre abismos de amargura
Nada temo porque a Luz está comigo.

Se me acolhe a tempestade
E Jesus vai a dormir na minha barca
Nada temo porque o Pai está comigo.

Se me perco no deserto
E de sede me consumo e desfaleço
Nada temo porque a Fonte está comigo.

Se os descrentes me insultarem
E se os ímpios mortalmente me odiarem
Nada temo porque a Vida está comigo.

Se os amigos me deixarem
Em caminhos de miséria e orfandade
Nada temo porque o Pai está comigo.

Se me envolve a noite escura
E caminho sobre abismos de amargura
Nada temo porque a Luz está comigo.

Cântigo religioso
 
 



domingo, 26 de maio de 2013

As crianças do PINTOR Edmund Adler




O pintor Edmund Adler nasceu em Viena, Áustria em 1876, sendo conhecido principalmente pelas suas detalhadas representações de crianças. 





Trabalhou vários anos em litografias e entre 1892 e 1895 estudou no Art School de Viena sob a orientação do professor Würbeem.




Entrou para o Vienna Academy of Fine Arts no inicio de 1896 e no final de 1903 foi galardoado com o Rome Prize, um prémio que tinha associado uma estadia de um ano em Roma (1903-1904).





Em 1914 o artista foi levado conjuntamente com outros pintores austríacos como prisioneiro de guerra para a Sibéria, onde ficou ate ao final de Abril de 1920. Mesmo estando prisioneiro continuou a pintar e as suas obras conjuntamente com as de outros pintores russos e austríacos foram encomendadas para galerias de Viena, Dresden e Brunn. Esses trabalhos foram assinados com o sinónimo de Edmund A. Rode.






Recebeu uma nomeação para o cargo de professor na Royal Academy em Viena, que manteve durante vários anos. Faleceu em Mannersdorf em 10 Maio de 1965.





Adler era um artista extremamente versátil e o que lhe permitiu pintar retratos, naturezas mortas, cenas rurais de famílias e crianças, e as paisagens do interior austríaco. A sua grande afeição foi no entanto dispensada na pintura de retratos de crianças.





As telas de Edmund Adler são admiravelmente expressivas e belas revelando um olhar maravilhoso para o detalhe e precisão.

Fontes e Fotos: www.artnet.com; www.artfact.com/; www.artfinding.com; www.kodnergallery.com; outros net.




"Na arte a mão nunca pode executar algo superior ao que o coração pode inspirar." (Ralph Waldo Emerson)

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Divagar pela Patagónia Argentina


Foto: www.globeimages.net


A Patagónia é uma vasta região situada  na América do Sul, compartilhada pela Argentina e pelo Chile. Dado o muito que há para ver, hoje vamos apenas divagar pela Patagónia Argentina, a Patagónia Chilena ficará para uma próxima viagem virtual.



Fotos: email recebido


Situada no extremo sul da Argentina, estende-se do Oceano Atlântico à Cordilheira dos Andes. Os seus parques, lagos, florestas, serras cobertas de neve e glaciares fazem desta região um local muito especial. 


Foto: www.wallcoo.net


A Patagónia argentina tem 11 Parques Nacionais e inumeráveis reservas e áreas naturais protegidas. Incluí as Províncias de Neuquén, Rio Negro, Chubut, Santa Cruz e o arquipelago da Terra do Fogo.

Neuquén
A província de Neuquén (Neuquén significa "rio ventoso") tem como capital a cidade de Neuquén, sendo esta a cidade mais importante da Patagônia. Limita-se ao norte com a província de Mendoza, a leste e sul com a de Río Negro e a oeste com a República do Chile. O meio físico se caracteriza-se por um escalonamento decrescente de oeste para leste. O seu rio mais caudaloso é o rio Limay.


Foto: www.espacoturismo.com


Rio Negro
A capital da província de Rio Negro é Viedma. A cidade mais conhecida desta província e porta de entrada para a Patagonia é San Carlos de Bariloche.


Foto: www.vurilocheturismo.com


Bariloche famosa pelas suas estações de esqui, está localizada junto à Cordilheira dos Andes na fronteira com o Chile, encontrando-se rodeada pelos lagos (Nahuel Huapi, Gutiérrez, Mascardi) e por montanhas, como o Cerro Tronador (3354 m de altitude, na fronteira com o Chile), o Cerro Catedral (movimentada estação de esqui) e o Cerro López.


Foto:www.dreamskiadventures.com


Entre a provincia de Neuquén e a província de Rio Negro localiza-se o parque mais antigo dos parques nacionais argentinos, o Parque Nacional Nahuel Huapi . Este Parque foi criado em 1934 e ocupa uma superfície de 713 160 hectares (491.160 ha na província de Neuquén e 220.000 ha na província de Rio Negro). Dentro dos limites do parque ficam a cidade de San Carlos de Bariloche e o Lago Nahuel Huapi.


Foto: wallpapers.phtorama.me


Chubut
A sua capital é a cidade de Rawson. A norte da província de Chubut fica a cidade de Puerto Piramides, é a única cidade na Península Valdés tendo esta área devido a sua biodiversidade e a riqueza natural sido declarada Património Mundial pela Unesco em 1999. Puerto Piramides tornou-se um dos principais destinos para observação de baleias em todo o mundo.


Foto: wikipedia_lisandro_moises


Puerto Piramides tornou-se um dos principais destinos para observação de baleias em todo o mundo.


Foto: www.clickchut.com.ar


Na província de Chubut é de referir também Punta Tombo, onde existe uma importante colônia de pinguins de Magalhães.


Foto: treakearth_Copyright_Matteo Porta


Santa Cruz
A provincia de Santa Cruz, tem como capital a cidade de Rio Gallegos. O destino mais visitado de Santa Cruz é o Parque Nacional Los Glaciares.


Foto: TreakEarth_Copyright_Alexandre Gorse


No sudoeste da Província de Santa Cruz e na margem sul do Lago Argentino localiza-se a cidade El Calafate . O seu nome vem de um arbusto espinhoso típico do sul da Patagônia (berberis microphylla).


Foto: www.conservacionpatagonica.org

Na primavera tem flores amarelas e frutos roxos no verão. Segundo a tradição, quem come esse fruto sempre retorna à Patagônia. A cidade de El Calafate foi fundada em 7 de dezembro de 1927.


El Calafate é a porta de entrada do, Parque Nacional dos Glaciares declarado em 1981 como Património da Humanidade pela UNESCO. 


Foto: email recebido


Este parque compreende uma superfície de 7.240 km², foi criado em 1937, e é o segundo maior da Argentina. O seu nome refere-se à calote de gelo gigante na Cordilheira dos Andes, que alimenta 47 grandes glaciares. A camada de gelo é a maior fora da Antártida e da Gronelândia. 


Foto: www.dreamskiadventures.com


Esta área é o habitat do condor, do puma, do guanaco, da raposa cinzenta, bem como os veados huemul, do touro selvagem e do pato Torrent.


Foto: vários


Existem mais de 1.000 espécies de aves na área (condores, águias e outros), mas apenas 100 foram registados.


Foto: TreakEarth-Copyright_federico ce


Quanto à flora encontram-se árvores da família Nothofagus como a lenga, o ñire e o coihue e também coníferas como o cipreste-da-patagónia, sendo importante também a presença de um arbusto de frutos saborosos o berberis buxifolia. A zona oriental do parque é maioritariamente estepe onde predominam o neneo, o coirón, a llareta e la jara.

Foto: vários


Foto: wikipedia_mEL23


O Parque Los Glaciares, pode ser dividido em duas partes, cada uma correspondente a um dos dois grandes lagos alongados parcialmente contidos pelo Park, o Lago Argentino a sul e o Lago Viedma a norte, ambos os lagos alimentam o rio Santa Cruz.


Foto: wikipedia_Barcex


Na parte norte encontra-se o Lago Viedma com 1.100 km ², o glaciar Viedma e alguns glaciares mais pequenos, e uma série de montanhas muito populares como o Monte Fitz Roy e Cerro Torre.

O Monte Fitz Roy ou Cerro Chaltén tem 3359 metros de altitude e está localizado perto da aldeia de El, e é uma das grandes atrações desta província, sendo muito apreciado principalmente para os fãs de escalada e trekking.


Foto: wikipedia_Fitzroy


A parte sul do Parque Nacional Los Glaciares localiza-se nas margens do maior e mais austral dos grandes lagos da Patagonia, o Lago Argentino com 1,466 km ² e uma profundidade média de 150 m de altitude. O lago foi descoberto e explorado pela primeira vez por Francisco Pascasio Moreno (1852-1919), em 1875.

Foto: TreakEarth_Copyright_Joern Friehs(tschoern)


Nas margens deste grande lago encontram-se vários glaciares entre os quais se destacam o Glaciar Perito Moren, o glaciar Spegazzini, o glaciar Upsala e o glaciar Onelli.


Foto: www.globeimages.net


O famoso glaciar Perito Moreno é considerado uma das reservas de água doce mais importantes do mundo e possui cinco quilómetros de largura e 60 metros de altura. O seu nome é uma homenagem a Francisco Pascasio Moreno, criador da Sociedade Científica Argentina e um renomado pesquisador da região austral daquele país.


Foto: www.globeimages.net

Terra do Fogo
A Terra do Fogo é um arquipélago, formado por uma ilha principal (a Ilha Grande da Terra do Fogo, muitas vezes chamada igualmente Tierra del Fuego) e um grupo de ilhas menores. A ponta mais a sul do arquipélago é o Cabo Horn. É na província da Terra de Fogo que fica a cidade de Ushuaia, também designada a cidade do Fim do Mundo. Daqui se parte para navegar no Canal de Beagle, o estreito que separa as ilhas do arquipélago da Terra do Fogo, ligando os Oceanos Atlântico e Pacífico e o porto de Ushuaia. No canal de Beagle fica o Farol do Fim do Mundo, o Les Eclairs.




A patagónia argentina é um lugar único, especial e de rara beleza.

Fontes e Fotos: Wikipedia: http://www.globeimages.net/; http://www.bariloche.org/; ttp://www.patagoniaexperience.com/; http://www.almadeviajante.com/; http://www.nahuelhuapi.gov.ar/; http://www.patagonia.com.br/; http://wikitravel.org/pt/Patag%C3%B4nia_Argentina; http://www.interpatagonia.com/index_p.html; http://www.intangibility.com/Photography/Travel/Patagonia01/Flowers.html; http://www.patagoniaplants.com/, email recebido; outros net.


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.


Foto: email recebido

Não podendo conhecer ao "vivo" todos os incriveis locais do nosso planeta, podemos sempre viajar através de fotografias e de texto. A net é o meu meio de alargar os horizontes, de conhecer sitios muitas vezes longínquos, outras bem mais pertinho, mas sempre locais com uma beleza muito especial e própria que encantam o olhar e libertam o coração das sombras que por vezes pairam sobre ele. O meu sincero OBRIGADO a todos os fotografos que permitem a todos nós divagar.